Buscar
  • Contos e Parlendas

A Visita Inesperada



A Visita Inesperada
.pdf
Download PDF • 93KB

Adaptado do livro Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato

Num dia de sol muito quente Narizinho e Emília sentaram-se à sombra da jabuticabeira, à espera de Pedrinho que fora ao mato cortar varas para fazer uma arapuca. De repente, um miado de gato. Narizinho admirou-se, porque não havia gatos no sítio. Nisto uma cara de gato apareceu numa moitinha perto delas, a olhar para as duas com muita curiosidade.

GATO

- Estive no fundo do mar, onde me empreguei numa corte muito bonita de um tal de Príncipe Escamado. Ele me disse que hoje, sem falta, vem ao sítio de Dona Benta fazer uma visita.

NARIZINHO

- Vai ser uma lindeza! Vovó e Tia Nastácia vivem duvidando do que eu digo. Quero ver a cara delas agora... Vamos pregar uma surpresa na vovó. Preciso combinar tudo com Pedrinho.

Pedrinho veio e os quatro levaram uma porção de tempo combinando a surpresa que iriam pregar na vovó. O Gato fora mandado ao encontro do Príncipe para avisá-lo na hora exata que devia chegar. Em seguida Pedrinho fez recomendações à boneca.

PEDRINHO

- A surpresa vai ser no finzinho do almoço. Mas você não pegue fazendo cara de muito sabida, que vovó desconfia.

Chegada a hora do almoço, todos foram para a mesa. Nada passou de extraordinário até a hora do café. Aí Dona Benta fixou os olhos em Emília e disse:

DONA BENTA

- Estou desconfiada de que vocês estão me armando alguma peça. Essa cara de sonsa de Emília não me engana.

Emília nunca soube fingir. Quando ia fingir, fingia demais e estragava o fingimento. Mas Narizinho sossegou a boa velha.

NARIZINHO

- Não é nada vovó. Emília é bobinha.

Nisto ouviu-se um rumor lá fora, em seguida de uma batida na porta – uma batidinha muito delicada – tic, tic, tic...

DONA BENTA

- Quem será? Nastácia, venha ver quem bate, por favor.

Tia Nastácia apareceu. Foi abrir, mas de acordo com o seu costume olhou primeiro pelo buraco da fechadura. Olhou e ficou assombrada.

DONA BENTA

- Que é filha de Deus?

TIA NASTÁCIA

- Credo! O mundo está perdido!...

DONA BENTA

- Mas o que é? Desembuche...

TIA NASTÁCIA

- É uma bicharada que não acaba mais! O terreiro está “assim” de peixe, de caranguejo, de concha, de tudo que é bicho esquisito que vive lá no fundo do mar.

DONA BENTA

- Eu bem estava adivinhando que haveria coisa hoje!

Disse Dona Benta erguendo-se da mesa para espiar também. Arrumou os óculos e olhou pelo buraco da fechadura. Ficou ainda mais assombrada do que a cozinheira ao ver toda a população miúda do mar rodeando a casa.

DONA BENTA

- Que significa isto?

NARIZINHO

- Não é nada vovó. É o Príncipe Escamado e sua corte que vem fazer uma visitar. Ele quer muito conhecer a senhora. Eles são todos muito boa gente. Vão passar aqui a tarde e garanto que não desarrumam coisa alguma. Vovó pode ficar descansada.

TIA NASTÁCIA

- Não deixe Dona Benta! Não abra a porta. É tanto bicho esquisito que até estou me tremendo de medo.

NARIZINHO

- Eles não mordem, boba! São criaturinhas civilizadas e de muito boa educação.

Tia Nastácia foi tratando de botar tranca na porta. Vendo que a tranca iria estragar todo seu plano, Pedrinho elaborou outro.

PEDRINHO

- Vovó e Tia Nastácia estão tremendo de medo, sem coragem de abrir a porta. Isso é que não! Já que vieram, têm que entrar, quer as duas queiram, quer não queiram. Já que não podem entrar pela porta, entrarão pela janela.

E foi correndo buscar uma escada. Enquanto Tia Nastácia, depois de colocar a tranca na porta, procurava arrastar a mesa para formar uma barracada, o príncipe e sua comitiva iam subindo pela escadinha que o menino trouxera. Subiram e pularam para dentro da sala. Quem primeiro pulou foi o Doutor Caramujo. Tia Nastácia, ainda às voltas com a mesa, ouviu o barulhinho e voltou-se. Deu um berro.

TIA NASTÁCIA

- Acuda! Estão pulando pela janela! Olhe atrás da senhora! Um bichinho de óculos, que é um verdadeiro “felômeno”...

NARIZINHO

- Não tenha medo, vovó. Este é o Doutor Caramujo, o grande médico que fez a Emília falar. Tem pílulas para todas as doenças.

Dona Benta havia voltado o rosto e visto atrás dela o Doutor Caramujo, de óculos, a lhe fazer um cumprimento muito amável. E o seu espanto, que já era grande, cresceu-se ainda mais ao ver surgir na janela um peixinho vestido de rei.

NARIZINHO

- Este é o Príncipe Escamado, rei do Reino das Águas Claras. E esta senhora, Príncipe, é a minha querida vovó, Dona Benta de Oliveira.

PRÍNCIPE

- Tenho muita honra em conhecê-la, minha senhora, e peço-lhe permissão para a tratar de vovó também.

DONA BENTA

- Ele fala mesmo, Nastácia! Fala tal qual uma gente...

A cozinheira fez o sinal da cruz. Enquanto isso os outros fidalgos da corte foram pulando. Pulou a Senhorita Sardinha. Pulou Dona Aranha a Costureira. Pulou o Bernardo-Eremita. Pulou o Major Agarra-e-Não-Larga-Mais. Cada um que pulava era um novo berro da cozinheira.

TIA NASTÁCIA

- E uma sardinha agora, sinhá! E agora uma aranha! E um sapo! Ai, credo, o mundo está perdido...

Por fim não aguentou mais: disparou para a cozinha. Dona Benta, porém foi se acostumando, e dali a pouco não estranhava coisa nenhuma. Começou até a achar uma graça enorme em tudo aquilo.

DONA BENTA

- Vocês têm razão, meus netos. Esse mundo em que vocês dois vivem é muito mais interessante do que o nosso

FIM

1 visualização

@2019-2020 por Contos & Parlendas.